Segunda-feira, 18 de Junho de 2007

Cá está mais uma pérola das estórias sobradenses versus bugiada, contou-ma uma das minhas fontes este fim de semana, cabendo-me agora a mim recontá-la.

Como é sabido os bugios são foliões, havendo alguns que gostam da pinga. A estória de hoje narra uma relação " amorosa" de um patrício meu com as duas ( pinga e bugiada).

Ora na véspera de S. joão há habitualmente noitada na terra ( com um cantor da moda, normalmente) Mas, nem só de cantores se fazem  noitadas, a pinga e as petiscadas também são uma componente importante. Assim sendo, o sobradense começa a provar a pinga  como que por brincadeira, mas a brincadeira aquece e... dá para o torto ( no verdadeiro sentido da palavra).

O incauto sobradense apanha uma carraspana descomunal. Resultado, chegado ao lar dorme a sono solto durante o resto da noite e todo o dia de s. João, só acordando no dia 25 por volta das 10 da manhã. Não tem mais, meio estremunhado, olha para o relógio, salta da cama veste a farda e sai de lanço para Campelo ( que já não era nada cedo). Chegado ao centro da vila e não vendo nenhuma movimentação ( nem cristã nem moura) profere a frase que ficaria para todo o sempre na história sobradense passando gerações e gerações e perpetuando-se no tempo - " Ohohohoho são que horas e eles sem vir!"... 

 

 


sinto-me: era da boa
música: sem música

publicado por estoriasdaminhaterra às 10:09
Verdade, verdadinha...que a conheço desde sempre!

;)
tsiwari a 18 de Junho de 2007 às 19:57

Como tal não poderia deixar de estar documentada no blogue ;) obrigada pelo comentário e boas leituras...

O blogue estoriasdaminhaterra recolhe estórias da tradição oral sobradense bem como factos da vida comum de uma pequena vila dos arredores do Porto...
Junho 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
16

17
20
21
22
23

24
25
26
30


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO