Quinta-feira, 12 de Julho de 2007

Cresci no meio de pipas (vazias). O meu avô acumulava nas suas funções de carpinteiro as práticas de tanoeiro da terra. Era com enorme satisfação que, quando garota me sentava nalgum pipo pequeno e ( obrigando-o a fazer uma pausa nas suas lides) ouvia as suas estórias. Tinha, e tenho, especial adoração por uma de um gago, que passo a contar.

Havia um lavrador da terra que tinha como moço, um rapazote gago. O facto nunca interferiu muito nas actividades agrícolas, até porque o rapaz utilizava mais os braços que a boca. Não obstante, um dia, vindo patrão, moço, duas vacas , o carro e uma pipa em cima, a pipa começou a perder vinho. O moço que seguia o carro de bois, ao ver a cena, aflito tenta chamar o patrão que seguia junto das vacas, nada feito a voz não saía. Tenta de novo, e outra vez, e mais uma e nada até que, quando a pipa já ia quase a meio consegue finalmente dizer " E-e-e cá ohohohoho pa-pa-pa-pa-trão a pi-pi-pi-pa vai a-a-a-a dei-dei-dei-tar!", dito isto o patrão irado espeta-lhe um safanão e pergunta porque não o avisou mais cedo, que cantasse quando fosse assim, ao que rapidamente o gago começa em alegre sinfonia o cantarol " Oh patrão a pipa vai a deitar , Oh patrão a pipa vai a deitar...".

Da cara do patrão, não sei como vos pinte, mas parece que não achou piada ao cantarol. 


música: A pipa vai a deitar
sinto-me: piadética

publicado por estoriasdaminhaterra às 10:56
Conhecia uma história parecida mas que é contada tipo anedota. :-) Continua o manancial inesgotável de estórias de uma terra rica de tradição.
daplanicie a 13 de Julho de 2007 às 12:26

Realmente a estória faz lembrar mais parece uma anedota... Mas o meu avô garante que é made in sobrado

O blogue estoriasdaminhaterra recolhe estórias da tradição oral sobradense bem como factos da vida comum de uma pequena vila dos arredores do Porto...
Julho 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
14

15
16
19
21

22
23
25
28

29
30


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO