Terça-feira, 24 de Julho de 2007

Sobrado é deveras uma terra rica, até mesmo um Visconde temos, embora de título comprado e não, como muitos dizem, de descendência real, ou vulgo, de sangue azul.

A estória de hoje é mais uma do Ti Zé espinheira, desta feita a propósito do Visconde de Paço.

 

(...)O Visconde de paço era um sobradense que veio do Brasil rico em mil oitocentos e tal e  comprou o título de Visconde. Fez aquela casa em paço, que tem o brasão do visconde. (...) Não era descendente do rei, mas quando morreu o duque de Bragança ainda cobriram o brasão com um pano preto, de luto. (...)

 



publicado por estoriasdaminhaterra às 15:05
Para mim, é simples. Não sei do que falas, nem de quem falas quando te referes a repor a vedade. Quanto a mim, nem sequer sabia de onde provinha o brasão do Visconde, mas sei que era práctica comum esses títulos nobiliárquicos serem comprados.
Dexa-me contudo ressalvar que, para se ser Nobre não era preciso ser familiar do Rei, como é óbvio.
Marco a 26 de Julho de 2007 às 09:26

Agora já sabes de onde provém. Nunca disse que para se ser nobre era preciso ser familiar do rei, aliás disse exactamente o contrário um título nem acrescenta nem tira nada, cada um é como é. Também sei que eram normais essas " compras" principalmente quando a monarquia entrou em decadência no nosso país. O que me refiro a repor a verdade é que há gente que diz que o nosso visconde era familiar do rei blablabla e isso não é verdade. Era como se eu agora dissesse que sou familiar do Sócrates ( até nem me importava) ou do Cavaco Silva... Não tem nexo, o senhor visconde tinha a família dele ( que não era real) e "entrou" para a realeza com moeda cunhada... Entendes a diferença, não estou a dizer que não é visconde, apenas digo que não é familiar do rei. E a história que reconto, segundo as palavras do tio Zé Espinheira, não são valiosas por dizerem que o homem não era familiar do rei, são valiosas por retratarem uma realidade social , e isso, em meu entender deve ser dado a conhecer.
Antes de publicar esta história já previa que fosse gerar alguma polémica, a população quer muito acreditar em " contos de príncipes e princesas, e fadas e duendes", mas se não a publicasse não estava a ser séria comigo mesma. As estorias da minha terra não são só caricatas, são as percepções de uma povoação face ao mundo, e os relatos de acontecimentos passados, quer gostemos ou não.

Bem... como vou ser professor titular... tenho que escolher um título, para que os "simplesmentes reles professores" saibam como devem dirigir-me a palavra... qdo me apercebi que o de Visconde, apenas queria dizer "Enriquecido Recentemente", vou escolher esse... a ver se enriqueço desta feita!


Bom post, Fábia! ***
tsiwari a 27 de Julho de 2007 às 02:07

Olá! Parabéns ao mui nobre enriquecido recentemente, professor titular, cumprimentos cordiais da reles professora ;) A polémica que está a dar o " enriquecido recentemente"- visconde já quase que dava para um debate... Saudações, Fábia

P.S. para se ser nobre era preciso ter dinheiro. Hoje em dia a coisa mudou um pouco de figura, o nobre de nobreza entrou em decadência ( olha a casa do visconde que infelizmente retrata essa triste sina) e a palavra nobre ganhou outro significado, a nobreza pessoal, a nobreza de ideais e princípios . Não se compram nem se vendem, ou se têm ou não se têm. Muito mais simples.

O blogue estoriasdaminhaterra recolhe estórias da tradição oral sobradense bem como factos da vida comum de uma pequena vila dos arredores do Porto...
Julho 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
14

15
16
19
21

22
23
25
28

29
30


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO