Sexta-feira, 27 de Julho de 2007

Bem hoje vou escrever uma estória  mais calminha. Assim para relaxar e acalmar os ânimos . Aqui vai. 

Era comum as freguesias vizinhas correrem-se à pedrada, era uma maneira pouco carinhosa de se indicar aos vizinhos o caminho para casa, mas era usual.

Assim, certa noite, estando programado indicar o caminho aos de Balselhas , os sobradenses fizeram-lhes a dita espera. Azar, a coisa deu para o torto e acabou por se virar o feitiço contra o feitiçeiro , os sobradenses começaram a ser corridos à pedrada. Separam-se, cada um por si, e Deus nosso senhor por todos. Um dos Sobradenses , atira-se a correr pelo meio da cortinha dos Espinheira, tentando a todo o custo deixar de ser alvo dos de Balselhas . Nada feito, vê-se perdido, em desespero de causa e a encoberto da noite joga a sua última cartada. Vira-se para o grupo perseguidor e saca da chave de casa ( que era enorme)e aponta-a ao grupo dizendo a alto e bom som:

- Parai ou rebento-vos a todos!

Golpe de mestre. Fugiram todos, ficou o sobradense com o lombo safo e uma estória para contar.


música: Pedra no charco
sinto-me: o que tu queres sei eu

publicado por estoriasdaminhaterra às 10:43
O blogue estoriasdaminhaterra recolhe estórias da tradição oral sobradense bem como factos da vida comum de uma pequena vila dos arredores do Porto...
Julho 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
14

15
16
19
21

22
23
25
28

29
30


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO