Terça-feira, 05 de Junho de 2007

Esta não aconteceu há muito tempo, portanto é normal que ainda se conserve mais ou menos fresca na cabeça de alguns sobradenses.

A festa correu dentro dos conformes durante todo o dia, chegava a hora de um dos pontos mais altos do dia. A prisão do velho. A carga dramática da cena (é comum verem-se sobradenses a chorar emocionados), a cara espectante dos populares, a música da paixão da banda de Campo e os tiros dos bugios e dos mourisqueiros dão o tempero à " coisa". Mas, nesse ano algo não aconteceu como o normal. Os bugios sobem ao palanque, preparam as armas. Os mouros fazem soar o primeiro tiro. Pó no ar. Cheiro intenso a pólvora. O povo assiste. Tensão no ar. Os bugios não rispostam o tiro. o povo começa a impacientar-se, os bugios também. Diacho! Esqueceram-se dos furminantes ( fulminantes). Sai um bugio a toda a pressa ao palanque inimigo, pedir furminantes para fazer a guerra. A cena continua. Os bugios dão tiro. Pulam. Faz-se a guerra.

 

 

P.S. Esta estória prova não só o espírito de partilha dos sobradenses mesmo em " guerra", mas é também mais uma acha para a complexidade desta festa.


sinto-me:
música: Música da paixão

publicado por estoriasdaminhaterra às 16:23
O blogue estoriasdaminhaterra recolhe estórias da tradição oral sobradense bem como factos da vida comum de uma pequena vila dos arredores do Porto...
Junho 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
16

17
20
21
22
23

24
25
26
30


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO