Quinta-feira, 05 de Julho de 2007

Aqui está uma estória familiar. Acredito que como já se passaram muitos anos, já não há grande perigo de ferir susceptibilidades familiares e a estória é mesmo merecedora de registo.

O meu bisavô era um homem de fibra, daqueles que olhamos e temos instintivamente respeito e orgulho ( no caso familiar).

Era recto e duro, e nem mesmo no leito da morte deixou os seus princípios e teimosias de lado.

Gostava de comer ( carne de porco preferencialmente) e beber bem, e nem mesmo quando um médico o advertiu para a necessidade de fazer uma dieta, sob pena de se não a cumprisse não era homem para muito tempo, não se deu por achado respondendo-lhe prontamente " Morra marto morra farto", ou seja morrer por morrer, morrer satisfeito.

Com efeito nunca fez a dita dieta, e a advertência que  o médico lhe tinha feito não tardou em chegar. Começou a quebrar e acabou na cama. Sentindo que os seus dias estavam próximos do fim, informou ainda que gostaria de provar um porquito que estava na corte. Fez-se a vontade ao pai. Marcou-se a matança do bicho. Á noite a filha preparou-lhe uma fevera para o pai provar o dito animal. Mastigou, mastigou e acabou por a deitar no prato sem a conseguir engolir dizendo com as forças que lhe restavam:

- Isto já não passa, mas um copito ainda vai! Bebendo-o de seguida.

Durante a noite, faleceu, satisfeito.


sinto-me: baú das estórias familiares

publicado por estoriasdaminhaterra às 11:01
O blogue estoriasdaminhaterra recolhe estórias da tradição oral sobradense bem como factos da vida comum de uma pequena vila dos arredores do Porto...
Julho 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
14

15
16
19
21

22
23
25
28

29
30


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO