Sexta-feira, 26 de Outubro de 2007

As fraternas relações entre Sobrado e Gandra continuam a dar que falar. Já contei umas poucas estórias sobre estas relações raianas ( entre concelhos), mas quanto mais rebusco na arca das memórias mais estórias me aparecem.

A estória de hoje relata a primeira visita de um gandarense ao mar. Apesar de ambas as freguesias se encontrarem perto do mar, aquela expressão do " nunca vi o mar" ainda persistiu até bem pouco tempo.

Indo sobradenses e gandarenses numa excursão ( não sei onde) o autocarro toma o rumo da praia. O intuito era almoçarem e seguirem viagem, deliciados com a vista e com o almoço.

Chegados à praia, começaram a sair os passageiros do autocarro, contemplando com maior ou menor entusiasmo a vista. Mas, um dos gandarenses que a maior quantidade de água que teria visto até à data seria a Pesqueira do rio Ferreira, em Sobrado, ficou extasiado. Um dos sobradenses apercebendo-se da admiração do gandarense , chega-se perto dele e pergunta-lhe:

- Então Manel que tal?

- Eh pah isto é tanta auga que dava para regar Moreiró todo ( um lugar da freguesia de Gandra) e ainda um bocadico  de Sobrado...

Risota geral.


sinto-me:
música: O mar enrola na areia

publicado por estoriasdaminhaterra às 14:59
Quarta-feira, 24 de Outubro de 2007

Sobrado não escapa ao milagre de Fátima. Anualmente muitos são os sobradenses que rumam a esse santuário, uns para cumprir promessas outros a título de passeio. As comemorações dos 90 anos das aparições, com a consequente inauguração da nova igreja foram motivo para levarem mais uns tantos sobradenses ao santuário.

A estória de hoje narra a viagem de um sobradense aquela localidade, que começou logo com as já habituais peripécias sobradenses .

 

Os preparativos

Chegado a casa com a notícia de uma excursão a Fátima, o marido tenta convencer a esposa a viajar com ele até ao santuário. Esta, por sua vez mostra-se renitente, alegando que seria muita confusão. Decide não ir. O marido não se dá por achado e avisa-a:

- Não vais!? Então pagas a minha ida!

Vitória, viagem paga, faltava agora a merenda. A mulher alega que não sabe o que fazer para o lanche, o marido, muito pronto explica que não h á nada mais fácil e diz-lhe o que fazer:

- É muito simples mulher, eu vou ao campo e trago-te uns tomates para "selada" ( vulgo salada) e umas cenoiras ( cenouras) que temos lá muitas, tu parte-las aos fios como tu sabes e fazes uma selada com cebola, azeite, vinagre, sal e pimenta. Depois assas um bocado de carne e eu como assim isso, é uma maravilha.   

 

Fátima aqui tão perto

A viagem fez-se sem percalços , com uns terços rezados pelo caminho e uma devoção demonstrada com maior ou menor intensidade, conforme os casos.

Chegados a Fátima, e depois de comidos e bebidos havia que visitar o santuário e obviamente a nova igreja.

O sobradense entra na igreja e senta-se. Comtempla o espaço de linhas modernas. Absorve cada recanto com uma sede insaciavél de saber e de ver.

Regressa à " camenete " ( camioneta) com a alma lavada. Os inevitáveis comentários à arquitectura da igreja começam a trocar-se entre os passageiros. Uns que era grande, outros que o Cristo parecia que ia cair etc. mas o sobradense impõe a sua visão, havia visto vinte (?) apóstolos, que segundo ele apenas a fé permitia ver ( já que mais nenhum dos passageiros parece ter visto). Obviamente os restantes passageiros questionaram a parte dos vinte apóstolos, mas rapidamente o sobradense explicou:

- Eram dez (?) de cada lado, e até mesmo o Judas consegui ver.

- Oh, tinha o saco. diz um outro sobradense .

- Nãooo , estava a olhar  por cima do ombro com ar desconfiado..., retorna o sobradense com uma pacatez e segurança de quem sabe o que viu.

E foi com esta descrição da nova igreja que chegou a Sobrado e a relatou a quem quis ouvir, com a certeza de quem sabe muito bem o que viu em Fátima!

 


tags:
sinto-me: com a fé abalada
música: o avé

publicado por estoriasdaminhaterra às 11:47
Segunda-feira, 22 de Outubro de 2007

As mortes por acidente de viação são sempre bruscas e, por norma abalam familiares e conhecidos. Há cerca de 20 anos morreu um sobradense numa situação dessas. Um acidente de mota em Ovar que acabou por vitimar condutor e acompanhante. A família, abalada fez seguir em representação para acompanhar o cortejo fúnebre até à terra, quatro elementos da família. Pai, primo, tio e tia ( freira).

Vindo em cortejo fúnebre a família vinha queda e muda, o tio e a tia ( freira) em oração compenetrada e o primo a conduzir. Chegados à ponte D. Luís, no Porto, e como para quebrar o silêncio o pai da vítima, quem sabe a pensar nas obras que estava a fazer cá em Portugal ( visto que era imigrante na França) pergunta de rompante, " Olhai lá a como é que está o cimento cá?!"

Ninguém lhe responde a não ser a cunhada, que olha de canto e com o tom de voz entre a indignação e a tristeza lhe ordena que se cale. O pai, condoído ainda protestou, que gostava de saber a como estava o cimento cá em Portugal, que à época estava sempre a subir. Ninguém lhe respondeu. Seguiram até Sobrado, com o jovem sobradense sobre terra. Não se sabe se terá ficado a saber o preço do cimento ou não, o certo é que hoje, ultrapassado o trauma da morte brusca ficou o preço do cimento como referência...



publicado por estoriasdaminhaterra às 10:24
Quinta-feira, 18 de Outubro de 2007

Esta estória conta o meu avô a propósito de um colega de trabalho. Eram ambos carpinteiros, trabalhavam muitas vezes nas obras, a fazer estruturas para os telhados. Ao que conta o meu avô, o colega era um pândego número um, e as suas " tiradas de mestre" eram quase uma constante. De uma das vezes, andando os dois a serrar barrotes para fazer um telhado lá para os lados de Valongo, e não tendo a fita métrica à mão, diz o pândego " Oh António, não te preocupes, eu deito-me e tu medes o barrote por mim, é 1,80 sem falha!"

E esta hen ?



publicado por estoriasdaminhaterra às 10:00
Segunda-feira, 15 de Outubro de 2007

 

Sobrado não tem escapado à onda de assaltos que assola o país, muito embora até num assunto tão grave como este ainda teime em manter a sua individualidade, recusando-se a essa globalização que arranca caixas multibanco, anda aos tiros e assalta joalharias. Sobrado tem os seus ladrões, mas à moda antiga ( por enquanto, e da minha parte que assim continue).

Assim se roubaram umas galinhas na aldeia de Ferreira. Tarde da noite uma vizinha acordou com o cão a ladrar. O ladrar do cão dizia que andava alguém no terreno do vizinho. A mulher veio à janela e viu no negro da noite um " fox " que se mexia e que procurava qualquer coisa. a mulher, corajosa abriu a janela e advertiu o ladrão que ia chamar o dono (!?). O certo é que não chamou e ao outro dia lá faltavam 2 galinhas e 3 garnizas .

O dono, que desconfiou de quem seria o ladrão, foi cortar erva ( para disfarçar) num terreno perto da casa do noctivago . Enquanto cortava a erva mirava a casa, tentando descortinar o galinheiro. Descoberto o galinheiro dá de caras com duas garbosas galinhas ( as suas) e o "dono" das mesmas. Não se dá por achado. Gaba os animais ao recente dono. Que teria um almoço no domingo e a galinha vinha mesmo a calhar, se a vendia.

- Vendo, são umas galinhas que é uma categoria, quinze euros é o preço! remata o recente dono.

O suposto comprador alega que iria terminar de cortar a erva e que no entretanto se decidia. Acabou por decidir chamar a polícia, que provados os factos ordenou que fossem devolvidas ao verdadeiro dono, já que as garnizas como por magia se haviam esfumado na noite...

 

 

 


tags:
sinto-me: camuflada
música: Ficheiros Secretos

publicado por estoriasdaminhaterra às 16:34
Segunda-feira, 08 de Outubro de 2007

Realmente até os animais sobradenses não conseguem deixar a terra, este fim de semana um dos bichos sobradenses foi  protagonista de um regresso a casa fantástico que deixou, quem o conhecia enternecido.

O protagonista, um gato, que pelo mês de Maio teve de fazer uma visita ao veterinário graças a uma espinha atravessada na boca, regressou a casa depois de ter desaparecido a cerca de 8 Km de casa. 

Chegado ao veterinário, em Alfena ( freguesia vizinha) , o gato, excitado da viagem e do espinho atravessado, colocou-se em fuga. Os donos ainda deambularam pelas ruas em busca do felino, mas a busca revelou-se infrutifera. O gato desapareceu sem deixar rasto.

Cinco meses volvidos, o trauma do gato perdido superado, qual não é o espanto dos donos quando vêm o bichano entrar em casa. A gato percorreu cerca de 8 km em terreno desconhecido e correndo sabe-se lá que riscos para regressar a casa são e salvo. Se falasse que estórias teria ele para contar depois de cinco meses de viagem!?



publicado por estoriasdaminhaterra às 14:51
Segunda-feira, 01 de Outubro de 2007

A estória de hoje é uma estória familiar. Daquelas bem portuguesas.

Estando a minha família, aqui há uns anos no velório de uma tia ( que faleceu solteira e sem filhos), a família mais chegada  ia demonstrando o seu sentimento de perda com mais ou menor expressão, conforme o grau de afinidade que tinha com a tia falecida. Era uma tia querida para grande parte dos sobrinhos e dos irmãos, sendo que se juntou grande parte da familia para o velório, incluindo aqueles que não aparecem noutras ocasiões que não baptizados casamentos e velórios.

Estando a chegar a meia noite, e as horas a custar a passar, entra um rapaz alto e forte no velório que prontamente cumprimenta a restante família, expressando as suas condolências. Era um daqueles sobrinhos que poucos conhecem mas que mesmo assim lhe reconhecem o parentesco.

Ora acontece que uma irmã da falecida ( conhecida pelas suas saídas perspicazes) não reconheceu o sobrinho, sendo que no meio de sentida e condoida dor, quando este se afasta, levanta a cabeça em direcção ao rapaz e pergunta à pessoa que estava ao lado " quem era aquele!?", tentando dessa forma localizar a categoria da condolência. Foi-lhe então explicado, em surdina, que era filho de uma sobrinha, segundo sobrinho da falecida irmã e seu também. A nobre senhora, olha-o novamente de cima abaixo,acena com a cabeça e lança o repto " É cá um centrião!". Risota total ( de quem ouviu na hora e de quem ouviu depois o relato). Além do inusitado comentário, a mana fez também um trocadilho com o verdadeiro nome, de centurião para centrião.

 

Centurião- soldado romano, conhecido pela sua robustez fisica. Em Sobrado era usual chamar centurião a homens fortes e robustos.


sinto-me: comentadora
música: Carpindo

publicado por estoriasdaminhaterra às 16:49
O blogue estoriasdaminhaterra recolhe estórias da tradição oral sobradense bem como factos da vida comum de uma pequena vila dos arredores do Porto...
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
17
19
20

21
23
25
27

28
29
30
31


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO