Terça-feira, 27 de Novembro de 2007

Há uma música que povoa as minhas memórias de infância, é uma coisa assim sem tom nem som mas que nunca consegui esquecer. Começava com uma voz entre o esganiçado e o rouco e tinha uma letra bastante elucidativa.

 

Ia por aí abaixo

Um carro aos trambolhões

Uma carroça sem rodas

e um cavalo sem travões

Ai txic txic txic txic

 

( ler num registo tipo M á rio Viegas)

 

Como vêm uma pérola da música portuguesa e que só no fim de semana passado, enquanto em família se divagava sobre músicas da nossa vida ( esta era a música que eu nunca escolheria para a minha música) descobri onde passava este best off musical dos longínquos anos 80. Passava na rádio Sobrado e era uma de entre muitas outras músicas do género.

Desconhecia até então que Sobrado já teve rádio, e pelos vistos era uma rádio e tanto, pois contribuiu vivamente para a expansão da música portuguesa e do anedotário sobradense . Conta quem ouvia que não raras vezes, os locutores num claro espírito de abertura e partilha à comunidade local, partilhavam segredos das suas vidas pessoais, facto que ocorria sempre que se esqueciam de desligar o microfone e transmitiam assim,em sinal aberto as suas ânsias e frustrações face à vida. Uma das situações relatadas dizia respeito ao casamento de um dos locutores e começava da seguinte forma:

 

Seguimos agora para mais um momento musical ( ler com a voz radiofónica)...

Ainda no ar mas falando como se não estivessem.

- Então fulano quando é que te casas?

- Eu ( pausa ocupada com palavrões ao gosto do leitor) era o que me faltava casar com essas ( palavrão novamente ao cuidado do leitor) eu tenho mais que fazer da minha vida do que aturar essas ( novamente o dito palavrão, esse mesmo que o leitor está a pensar).

E a conversa continuava animadamente até um dos interlocutores se aperceber da gafe e emendar com uma composta frase do género:

- ehnnn pedimos desculpas aos nossos oubintes plo incedendente de à bocado.

 

E o mais curioso é que em pesquisas na internet sobre este fenómeno ( Rádio Sobrado) descubro que estas emissões motivaram uns jovens para fazer rádio, e mais estranho ainda foi a génese ( por assim dizer) de uma rádio do Porto. E esta hein?

Apetece-me mesmo dizer, há coisas fantásticas não há !?


sinto-me: musicalmente inspirada
música: Ia por aí abaixo

publicado por estoriasdaminhaterra às 16:45
Segunda-feira, 19 de Novembro de 2007

Em termos gastronómicos Sobrado possui os seus inegualáveis doces brancos ( vulgarmente chamados de cavacas noutras freguesias) e o cabrito assado no forno. No entanto, embora estas iguarias sejam as mais famosas não são as únicas na terra. A lebre no forno à Sobrado, é se não uma iguaria pelo menos um mito gastronómico. Reza a história que ali para os lados da Costa havia um perdigueiro que era imbatível na caça às lebres, sendo ele o impulsionador deste prato.

 Vindo o dito perdigueiro em perseguição desenfreada de uma lebre já desde os montes do Recoste, atravessa a " cortinha " da casa e desce ao quinteiro da habitação ( sempre com a lebre em fuga á sua frente), a lebre sentindo-se perdida e não vendo outra saída senão umas escadas que levavam até á cozinha, atira-se por elas fora tentando dessa forma escapar à morte certa, o cão persegue-a arfando e rosnando. A lebre desespera por um esconderijo quando entra na cozinha. A tensão paira no ar, a lebre sente-se perdida de vez, quando de rompante olha para um canto e vê uma porta, num impulso salta e enfia-se naquele esconderijo, o cão ladra uma última vez, a dona da casa entra e cuidadosamente tapa a porta do esconderijo, o forno onde momentos antes havia metido umas batatas a assar...

 

Ingredientes:

1 perdigueiro que corra bastante e que saiba orientar a lebre

1 lebre do monte

1 forno pré aquecido

batatas

 

A estória de hoje era contada por uma das recorrentes personagens deste blogue, o exagero e a fantasia desta estória tornam-na numa verdadeira pérola das estórias sobradenses e merecedora de assinalar a estória número 100 deste blogue.

 

Regionalismos:

Cortinha- terreno de cultivo

quinteiro- amplo espaço no interior das casas de lavoura. Orientava-se á volta do quinteiro as cortes dos animais, adegas e arrumos para a alimentação do gado.


tags: ,
sinto-me: com fome desta lebre
música: Sou um mestre a culinária

publicado por estoriasdaminhaterra às 15:06
Quinta-feira, 15 de Novembro de 2007

Isto de tudo quanto é terriola ser elevado a vila tem muito que se lhe diga. Actualmente Sobrado não tem uma única aldeia no seu território circundante e mesmo Sobrado não é excepção, tendo também a nossa pacata terrinha sido elevada a Vila a 12 de Junho de 2001. O facto gerou alguma controvérsia entre habitantes mas no final predominou o título de " Vila de Sobrado" ,para o bem e para mal.

A freguesia vizinha ( Gandra) também não escapou à febre das vilas e cidades e «recebeu o título de cidade ( 2003).

O acontecimento não passou em branco aos sobradenses que rapidamente trataram de ( mais uma vez) inferiorizar o título. Entre muitos comentários ( altamente construtivos!) salientava-se um, que defendia que Gandra nunca poderia ser cidade porque, ao contrário de Sobrado cujo centro é o largo do Passal ( rodeado pela Junta de freguesia, igreja, cemitério, escolas, correios, banco, lar, centro de saúde e comércio), Gandra não possuía um espaço que pudesse ser chamado como " centro da cidade". Os gandarenses bem tentavam defender-se, mas em vão, uns diziam que o centro era ao pé da igreja de Gandra, outros que era na nacional que liga a Paredes, nada feito, não havia ( nem há) consenso quanto á localização do centro de Gandra.

Não obstante, os Sobradenses , como bons vizinhos que são disponibilizaram-se a resolver o problema. Segundo a teoria sobradadense , o melhor era mesmo por a placa ( que até hoje ainda deve estar guardada) a indicar " CENTRO" em direcção a Sobrado, e adoptar o Largo do passal ( Sobrado) como centro provisório da cidade de Gandra. Não me perguntem porquê mas os Gandarenses parece que não acharam piada à ideia, e Gandra continua sem centro...


sinto-me: Descentrada...
música: São os loucos de...

publicado por estoriasdaminhaterra às 11:43
Quarta-feira, 07 de Novembro de 2007

Hoje me dia o comum é ver as pessoas calçadas, mas tempos houve que andar descalço era prática comum ( principalmente de Verão, sendo que de inverno o mais utilizado eram os socos).

O calçado era poupado para ocasiões mais especiais, como ir à missa, ao Porto*  ou a qualquer outro sitio que fosse merecedor de calçado digno desse nome.

Era assim que as pessoas viviam, com os pés descalços e habituados à dureza dos caminhos. Portanto não admirava que as pessoas mal sentissem o que por debaixo dos pés lhe passava, tendo a pele de tal maneira " curtida" que nem mesmo uma tacha fazia grande mossa.

Foi assim que andou um sobradense por mais de três semanas, com uma tacha cravada numa greta que tinha no pé. E o mais estranho é que só ao fim de três semanas é que disse à filha enquanto esta lhe lavava os pés:

- Oh rapariga vê o quê que eu tenho pra'i nesse pé que de quando em vez sinto uma impressão quando ando...

A rapariga, para seu espanto, e no meio de terra e areias vê sair da greta uma tacha enferrujada que, estupefacta mostra ao pai.

- Eu também tinha cá para comigo que havia de ser uma tacha ou um prego, remata o pai.

A prova que as gentes de Sobrado são duras na queda...

 

*Existiam nas entradas da cidade do Porto um guarda barreira que além de controlar as mercadorias que entravam na cidade, impedia a passagem a quem se apresenta-se descalço. Contava a minha Bisavó que iam até à entrada do Porto com uns chinelos na mão e só quando chegavam perto do guarda barreira os calçavam para poderem passar.


tags:
sinto-me: Gente dura

publicado por estoriasdaminhaterra às 12:08
Terça-feira, 06 de Novembro de 2007

Embora não seja uma terra turística lá quando o rei faz anos aparece um ou outro turista por terras sobradenses ( normalmente perdidos). Da última vez que tal aconteceu ( que eu saiba)tive uma participação activa na orientação dos turistas.

Como é hábito o Domingo de manhã tem sempre como actividade ir comprar o jornal às bombas de gasolina da terra para durante o resto da manhã colocar as leituras em dia.

De uma das vezes que lá cheguei, deparo-me com uma situação caricata. Ao balcão estava  ( além da funcionária que apreciava a cena atónita) o patrão e um casal ( que de relance me pareceu inglês e mais tarde descobri que eram irlandeses). O patrão tentava por desenhos explicar aos dois turistas como ir para Braga a partir de Sobrado. O desenho com setinhas e rabiscos não era lá muito elucidativo. Os turistas estavam à rasca. Disponibilizei-me para explicar ( e desenferrujar o meu inglês). Depois de lhes perguntar se falavam inglês ( ao que responderam um sim como se tivessem tido uma visão) lá lhes expliquei conforme podia e sabia como haviam de ir para Braga. Percurso A42 ( aberta em regime de part time na altura) A3 e dentro de 50 minutos estariam em Braga. Muito simples. Vim-me embora com sentimento de missão cumprida e de que afinal o meu inglês até se percebia com algum esforço.

Cheguei a casa e relatei a cena à família que rapidamente me explicou que aquelas horas os irlandeses não iam para Braga ( a estrada estava cortada para alguns reajustes durante aquele fim de semana) e que provavelmente andariam ainda mais perdidos ( nalgum desvio mal sinalizado) do que o que estavam quando chegaram a Sobrado.

Ao fim de quase dois anos espero do fundo do coração que tenham chegado a Braga...


sinto-me: Desorientada
música: ups I Did it again

publicado por estoriasdaminhaterra às 14:32
O blogue estoriasdaminhaterra recolhe estórias da tradição oral sobradense bem como factos da vida comum de uma pequena vila dos arredores do Porto...
Novembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
16
17

18
20
21
22
23
24

25
26
28
29
30


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO