Segunda-feira, 22 de Outubro de 2007

As mortes por acidente de viação são sempre bruscas e, por norma abalam familiares e conhecidos. Há cerca de 20 anos morreu um sobradense numa situação dessas. Um acidente de mota em Ovar que acabou por vitimar condutor e acompanhante. A família, abalada fez seguir em representação para acompanhar o cortejo fúnebre até à terra, quatro elementos da família. Pai, primo, tio e tia ( freira).

Vindo em cortejo fúnebre a família vinha queda e muda, o tio e a tia ( freira) em oração compenetrada e o primo a conduzir. Chegados à ponte D. Luís, no Porto, e como para quebrar o silêncio o pai da vítima, quem sabe a pensar nas obras que estava a fazer cá em Portugal ( visto que era imigrante na França) pergunta de rompante, " Olhai lá a como é que está o cimento cá?!"

Ninguém lhe responde a não ser a cunhada, que olha de canto e com o tom de voz entre a indignação e a tristeza lhe ordena que se cale. O pai, condoído ainda protestou, que gostava de saber a como estava o cimento cá em Portugal, que à época estava sempre a subir. Ninguém lhe respondeu. Seguiram até Sobrado, com o jovem sobradense sobre terra. Não se sabe se terá ficado a saber o preço do cimento ou não, o certo é que hoje, ultrapassado o trauma da morte brusca ficou o preço do cimento como referência...



publicado por estoriasdaminhaterra às 10:24
Não é por acaso...

... os seres humanos sabem pouco como lidar com perdas dessas. E não é verdade que ~parem ~ de pensar. Ou que não sintam as entranhas em revolução. E a alma dorida. E uma perda infinda...e queiram saber do cimento, que tb serve para exorcizar dores profundas.

Como tb não acredito que é mais dor a dor carpida, em altos berros...

A cada um, a sua forma de gritar.

Bjo *
tsiwari a 22 de Outubro de 2007 às 22:24

Concordo com o que diz, no entanto o despropósito da situação não deixa de ser caricata, e se lhe juntarmos a estória " Sentimentos para todos" ( publicada aqui no blogue) do mesmo autor e no mesmo dia, a "coisa" fica ainda mais elucidativa... mas realmente cada pessoa tem a sua própria maneira de expressar a sua dor... Abraço, F.

O blogue estoriasdaminhaterra recolhe estórias da tradição oral sobradense bem como factos da vida comum de uma pequena vila dos arredores do Porto...
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
17
19
20

21
23
25
27

28
29
30
31


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO