Segunda-feira, 14 de Julho de 2008

Regressei. Há alturas na vida que devemos ouvir, assimilar, reflectir e depois escrever. Foi o que aconteceu. Andei em recolhas orais. Feito isto ( a introdução) regresso pois, ás lides bloguisticas com as estórias sobradenses de sempre.

 

A de hoje aconteceu em 1974. Já vem um bocado "fora do enquadramento" festivo que se vivia em Sobrado há um mês, mas mesmo assim merece figurar aqui hoje e agora.

 

Tempos houve em que a bugiada sobradense era mais afoita nas suas danças. Tinha mais garra, mais audácia, como se diz por cá tinha mais lata para fazer o improvável e fazer jus á fama que tinha de serem foliões quase doidos nas suas demonstrações.

 

Ora aconteceu que naquele ano de 1974 ( que choveu a cântaros e até fez uma cheia no rio Ferreira) saíram a encoberto das máscaras meia dúzia de bugias. Cinco de cá, uma outra de Bragança.

As de cá, conhecedoras da festa e da tradição, explicaram sumariamente á de Bragança que os bugios eram bizarros, levavam palha e urtigas e metiam-se com as moças, apalpando e beliscando numa brincadeira encoberta e permitida. As serpes que levavam nas mãos ( com uma artimanha que lhes fazia abrir as bocarras vermelhas) serviam para roubar doces ás doceiras e assustar os visitantes.

A de Bragança, ouviu e assimilou. E se depressa assimilou mais depressa pôs em prática. Em alegre e eufórica brincadeira ia apalpando as mamas às colegas e beliscando, metendo-se com este e com aquele gritando " Ela é nossa!" . E assim foram correndo as bugias e misturando-se na bugiada, apalpão aqui beliscadela ali, gargalhada acolá até que no meio das máscaras ( sempre as máscaras essa transfiguração do real) a de Bragança apalpa outro bugio ( confundida) apalpa o peito e vai descendo até aos guizos que ( antigamente) se penduravam na farda junto ás partes pudicas mas... oh diabo, que o bugio apalpado não tinha só os de metal mas também os dele. Era um bugio homem. As colegas a encoberto da máscara riam-se a bom rir. Ficou a história.



publicado por estoriasdaminhaterra às 20:36
olá! Sabe sempre bem ler as tuas histórias! Bem vejo que adoras conversar com as pessoas idosas e sábias, senão, como saberias tanta coisa sobre a tua terra? boas férias para ti! vou estar ausente um mesito e para onde vou não tenho pc ou net, como não tenho pc portátil....beijos
nuno a 3 de Agosto de 2008 às 23:15

Já tinha saudades das tuas estórias. Bem vinda de volta!
daplanicie a 18 de Agosto de 2008 às 15:52

O blogue estoriasdaminhaterra recolhe estórias da tradição oral sobradense bem como factos da vida comum de uma pequena vila dos arredores do Porto...
Julho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO