Quarta-feira, 27 de Agosto de 2008

 

O roubo de fruta para matar a fome e tirar a barriga de misérias era prática comum entre a garotada sobradense de antigamente.

A estória de hoje relata uma dessas investidas de um grupo de gaiatos a pessegueiro da zona da Costa.

Numa dessas noites de luar de Agosto a garotada rondava as árvores de fruto da zona, pé ante pé tentavam perceber ( pelo cheiro) as árvores que tinham a fruta mais madura e mais á mão de semear. Calhou a sorte irem dar a um quintal sobranceiro ao caminho da Costa e pertencente a dois velhotes sem filhos. Mas ditou o azar de o quintal estar vigiado por um dos donos que, sentado num barraco descansava uma caçadeira no regaço. A malta pára. Mira a cena e aguça o ouvido. O velho ressona. Ronca a plenos pulmões. É a hora. pé ante pé chegam-se perto do idoso e retiram-lhe a arma do regaço, encostam-na perto dele mas suficientemente longe para este ter de se levantar em busca dela. Sobem o pessegueiro. Qual perfume e qual sabor a hora era de os deitar para a "soleirada" e dar á sola do quintal. O dono dorme. Descem da árvore, saltam o muro e... ala que se faz tarde. O dono acorda. Contava ele que com um barulhito assim Puc Puc foi ver o pessegueiro e na sua linguagem peculiar de quem é meio "tatarelho " "nem um pesssooog... Ah larápios".

 

Soleirada - Por dentro da camisola ou camisa.

Tatarelho- Alguém tato, que por falta de dicção não se expressa bem.



publicado por estoriasdaminhaterra às 21:10
O blogue estoriasdaminhaterra recolhe estórias da tradição oral sobradense bem como factos da vida comum de uma pequena vila dos arredores do Porto...
Agosto 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
20
21
22
23

24
25
26
28
29
30

31


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO