Quinta-feira, 23 de Outubro de 2008

Depois de um afastamento não muito contestado por parte dos meus leitores ( que afinal parece que chegam a ser dois) regressei com estórias fresquinhas.

 

A de hoje remete-nos para mais um ilustre sobradense, habitual nestas andanças de estorietas das nossas gentes.

 

Ir ao médico acarreta várias etapas. A primeira ter uma doença ou pensar que se tem uma. A segunda marcar consulta e esperar q.b. para que a dita chegue antes da doença passar. A terceira descrever o que se tem ao médico, e suportar o olhar avaliador do doutor. A quarta fazer exames. E finalmente a quinta e não menos preocupante, o diagnóstico do médico, onde além dé termos a certeza que afinal não temos assim tanta saúde, temos de descortinar uma catrafada de termos técnicos com mais de 3 sílabas e que nunca ouvimos falar na vida.

Ora, por essas e por outras , por palavra aqui e acolá que, uns dos nossos decidiu por termo a esta incerteza de termos técnicos e maleitas crónicas, adoptando uma postura observadora e arrojada de cada ida ao médico.

 

Com um problema na cervical no apogeu da vida, as perspectivas não eram as melhores,  o doente, na tentativa de ouvir melhores palavras dirigiu-se a outro doutor ( por ouvir dizer que era bom) para que este o observa-se. O que se segue é a descrição possível desta consulta, tendo em consideração que já lá vão 40 anos.

O médico, ouviu a sua história clínica com aquele distanciamento que é peculiar á sua classe. Pediu-lhe o relatório do seu anterior médico. O paciente disse-lhe que o relatório completo não tinha, mas que tinha alguns apontamentos do relatório, entregando-os. O médico leu-os de soslaio, fixou o paciente, e com ar inquiridor perguntou-lhe:

-Oh homem quem é que fez isto?

- Oh Sr.. doutor eu de cada vez que o médico saía, ou atendia o telefone eu olhava de soslaio para o relatório e tirava uma ou outra palavra que conseguia ler e memorizava-a, depois quando chegava a casa escrevia-a, e foi assim que reuni essas palavras todas...

 



publicado por estoriasdaminhaterra às 19:39
Olá!Ainda bem que regressou!...já se sentia a falta!
Beijinho muito grande
Raquel Alves a 28 de Outubro de 2008 às 23:12

O blogue estoriasdaminhaterra recolhe estórias da tradição oral sobradense bem como factos da vida comum de uma pequena vila dos arredores do Porto...
Outubro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
24
25

26
27
28
29
30
31


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO