Sexta-feira, 04 de Maio de 2007

Como não podia faltar, cá vai mais uma estória do Camilo.

O Camilo era o jornaleiro oficial lá de casa. O meu pai dava-lhe mil escudos por mês para ele levar o JN ao domingo. Nunca faltava, só se estivesse doente. Por volta das 8.30, 9 horas ouviamos o rádio dele, os seus passos na varanda e o barulho do jornal a cair no chão. De vez em quando resmungava qualquer coisa e ia-se embora. Foi um ritual de anos.

De vez em quando aparecia lá por casa sem ser ao Domingo de manhã, vinha pedir um empréstimo. Dizia que tinha um furo na bicicleta e que precisava de o remendar. O meu pai lá lhe dava mais uns trocados, ria-se e já a caminho virava-se para trás e dizia :

- Fica para o próximo mês, para o jornal.

O meu pai dizia que sim, mas não ficava, tinhamos sempre um mês de jornal adiantado. 



publicado por estoriasdaminhaterra às 11:01
O blogue estoriasdaminhaterra recolhe estórias da tradição oral sobradense bem como factos da vida comum de uma pequena vila dos arredores do Porto...
Maio 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

13
19

20
26

27


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO