Quarta-feira, 09 de Maio de 2007

Os touros sempre foram animais que me fascinaram pela sua robustez, personificam a mãe natureza, ou melhor a força da mãe natureza.

È por isso que esta estória é um pouco um contracenso à robustez e força do Touro, pelo menos põe em causa essa força e mais uma vez reforça a "bestialidade" humana, neste caso a  Sobradense.

Um dos meus patrícios ( já conhecido aqui do blogue) tinha um touro, nada de mais não estivesse o bichinho em questão sempre aflito com as moscas que compartilhavam o T0 com ele. Eram más vizinhas, mordiam-no até o deixar em sangue, e nem mesmo uma "troçada" com o rabo era capaz de as demover.

O dono também se preocupava com o animal, e por mais que tentasse dar cabo das vizinhas indesejadas, elas sobreviviam sempre e cada vez mais descaradas. Até que teve uma ideia de "mestre", num dia à noite pulverizou toda a corte com MAFU ( passo a publicidade) e touro incluido, de tal maneira que o touro que era preto ficou com uma camadinha branca no pelo que lhe dava um jeito angelical inegualável. Foi dormir. Ao outro dia, preparando-se para festejar com o touro a morte das vizinhas , ao abrir a porta da mansão dá de caras com o tourinho de patas para o ar e morto também, não resistiu ao veneno que se entranhou na pele.

O Sobradense chorava a infeliz ideia, e carpia o Touro que morreu desamparado, e que era um bicho de meter respeito. Ficou a estória, a certeza da eficácia do MAFU e uma possivel ideia para uma campanha publicitária.

 



publicado por estoriasdaminhaterra às 09:38
O blogue estoriasdaminhaterra recolhe estórias da tradição oral sobradense bem como factos da vida comum de uma pequena vila dos arredores do Porto...
Maio 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

13
19

20
26

27


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO