Segunda-feira, 21 de Maio de 2007

A morte costuma chegar com um aviso, " toca a todos". Acredito que a dor da perda de um familiar também esteja, de certa forma, associada á consciência intrínseca de que nada é eterno e tudo acaba. A estória de hoje, narra mais uma relação do homem com a morte.

Tinha morrido o pai de um Sobradense. Acontecimento comum. Os vizinhos e amigos iam chegando e dando os sentimentos pela perda, aos familiares. Procedimentos normais nestas ocasiões. No entanto, um dos filhos do pai defunto, tomou diferente atitude. De mão estendida foi cumprimentando os presentes desejando os se'timentos. Até que, e numa clara tentativa de abreviar a " coisa", levanta os braços ( no passal) e em sonora voz deseja conduídamente, "se'timentos p'ra todos, se'timentos p'ra todos", virando costas e seguindo o cortejo fúnebre.



publicado por estoriasdaminhaterra às 10:15
O blogue estoriasdaminhaterra recolhe estórias da tradição oral sobradense bem como factos da vida comum de uma pequena vila dos arredores do Porto...
Maio 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

13
19

20
26

27


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO