Segunda-feira, 24 de Setembro de 2007

Faça chuva ou faça sol, as terças feiras sobradenses são sempre dia de feira no largo do passal. Os feirantes começam a chegar por volta das 6,30 da manhã permanecendo no local, muitas vezes, até o sol se por. Um dos segredos de montar a " barraca" é deixa-la bem presa, impedindo assim que , independentemente do Zéfiro que soprar a barraca se desprenda do solo. Foi com esse intuito, o de prender bem a barraca, que um dos feirantes amarrou uma corda da barraca ao pescoço de um busto existente no passal. Os sobradenses que se passeavam pela feira, aperceberam-se da marosca e rapidamente começaram o protesto contra o feirante. Que estava, aos olhos sobradenses a enforcar o Sr. . abade, tão querido à terra sem dó nem piedade.

" Olha onde j á se viu a apertar a corda no pescoço do Sr. . abade, olha que não a apertou à dele! diziam os populares.

Obviamente que o feirante não enforcava o padre, mas sim o busto de homenagem ao padre, mas o certo é que a população só acalmou os ânimos quando o feirante desatou da goela do busto a apertada corda que no entender sobradense apertava era a goela do padre.


sinto-me: angustiada
música: o barulho das pessoas

publicado por estoriasdaminhaterra às 11:28
O blogue estoriasdaminhaterra recolhe estórias da tradição oral sobradense bem como factos da vida comum de uma pequena vila dos arredores do Porto...
Dezembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


estorias frescas
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO