Quarta-feira, 30 de Maio de 2007

O meu bisavô era um homem imponente. E recto. A estória dele relata o modo como educou os filhos e o seu sentido de justiça.

Haviam dito, de um filho, coisas impróprias à época, tendo o zunzun da situação chegado aos ouvidos do meu bisavô. Chamou o filho " á pedra" e pediu esclarecimentos. O jovem lá se esclareceu consoante podia e sabia. O pai meditou, e deu de sentença. Que tivesse uma conversa de pé de orelha com o autor da difamação ( afim de limpar o nome). Local marcado - à saída do adro da igreja, após a missa de domingo. A cobrir a situação, o meu avô, à época com 14/15 anos e o irmão com uns 17/18. O pai assistiria de longe. Assim foi.

À saída do adro colocou-se um irmão de cada lado do portão. Sai o meliante, o irmão ofendido pergunta-lhe se não tem nada para dizer. Não lhe dá tempo para responder, agarra-o pelos colarinhos e acerta-lhe o passo ( como quem malha centeio). Os fieis cercam a luta, há quem tente apartar, o irmão mais novo interpõe-se ameaçando, " quem se meter vai prali também. Ninguém se mete. De longe o pai assiste. Quando vê que já está em boa conta o acerto, desce calmamente o passal, coloca a mão no ombro do filho e diz : " Anda daí rapaz, vamos para casa." Abandonam o três o local, calmamente, o outro jovem fica no chão. Estavam ajustadas as contas e limpo o nome.  


música: Toma que já almoças-te
sinto-me: justiceiros

publicado por estoriasdaminhaterra às 13:49
O blogue estoriasdaminhaterra recolhe estórias da tradição oral sobradense bem como factos da vida comum de uma pequena vila dos arredores do Porto...
Dezembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


estorias frescas
pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO